PutaoyaPutaoya

"Putaoya", terra das uvas, também significa “Portugal” em chinês e baseia-se na ideia de criar um vinho tinto agradável e fácil de beber, apesar de manter a sua complexidade, notas minerais e grande profundidade, tal como os vinhos do Douro clássicos.

Vinificação

O ano de 2007 foi excelente para o Douro. As chuvas ocorridas na Primavera e início do Verão permitiram manter bons níveis de água no solo até ao momento da vindima. Por outro lado, alguma pressão do míldio contribuiu também para baixar as quantidades de uvas produzidas por cepa. A utilização de vinhas mais altas permitiu obter um vinho que prima pela frescura de paladar e aromas. A vindima realizou-se com tempo seco e ameno durante todo o mês de Setembro. As uvas foram colhidas num óptimo estado de maturação, com teores de acidez elevados e teores de açúcar muito equilibrados; após escolha, o desengace foi total. A fermentação foi feita em cubas inox com macerações totais que nunca ultrapassaram os 12 dias. O vinho estagiou maioritariamente em cubas inox e apenas 15% teve um estágio de 12 meses em barricas usadas de carvalho francês.

Notas de Prova

Cor rubi muito viva, com notas de fruta vermelha e especiarias, folhas de chá, complexo. Na boca, mostra-se pleno sem ser pesado, com boa estrutura, mas de taninos muito macios prontos a serem bebidos. Mais fresco e concentrado do que 2006, com fruta muito fresca e um longo final. É um vinho que apetece beber.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias

Idade das Cepas

10 - 40 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela e outras

Densidade por HA

4000

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

100-400

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Barrica e inox

Fermentação

Cubas inox

Engarrafado

Fevereiro 2008

Estágio

12 meses em carvalho (20%) e em Inox (80%)

Extracto Seco (g/dm3)

28.7

Açúcar Residual (g/dm3)

2.4

Álcool (%)

13

pH

3.65

Acidez Total (g/dm3)

4.96

Acidez Volátil (g/dm3)

0.48

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

28

Produção

3.000 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Viandes blanches. Suggestions végétariennes: plats à base de pâtes.

"Putaoya", terra das uvas, também significa “Portugal” em chinês e baseia-se na ideia de criar um vinho tinto agradável e fácil de beber, apesar de manter a sua complexidade, notas minerais e grande profundidade, tal como os vinhos do Douro clássicos.

Vinificação

2008 foi um ano pouco habitual na região do Douro. As chuvas durante a Primavera e início do Verão permitiram manter os níveis de humidade no solo até ao momento da vindima. Por outro lado, as baixas produtividades verificadas deram origem a mostos muito equilibrados, com boa acidez, e teores de açúcares nada excessivos.

A vindima decorreu durante o mês de Setembro, com condições óptimas de tempo seco e ameno. A fermentação ocorreu em cubas de inox, com períodos de maceração, entre 8 e 15 dias. Apenas 20% do vinho estagiou em barricas usadas de carvalho francês, durante 12 meses.

Notas de Prova

Cor rubi muito viva, com notas de fruta vermelha e especiarias, juntamente com um leve carácter xistoso. Na boca, é vibrante e apetecível, com taninos suaves e uma excelente acidez, permitindo um longo final.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias

Idade das Cepas

10 - 40 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela e outras

Densidade por HA

4000

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

100-500

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Barrica e inox

Fermentação

Cubas inox

Engarrafado

Maio 2010

Estágio

12 meses em barricas de carvalho francês (20%) e em Inox (80%)

Extracto Seco (g/dm3)

27.4

Açúcar Residual (g/dm3)

2.4

Álcool (%)

13

pH

3.65

Acidez Total (g/dm3)

5.05

Acidez Volátil (g/dm3)

0.53

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

25

Produção

9.000 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Weißes Fleisch. Vegetarische Vorschläge: Nudeln, Pasta.

"Putaoya", terra das uvas, também significa “Portugal” em chinês e baseia-se na ideia de criar um vinho tinto agradável e fácil de beber, apesar de manter a sua complexidade, notas minerais e grande profundidade, tal como os vinhos do Douro clássicos.

Vinificação

2009 foi um ano muito fresco, até ao início de Agosto. Uma boa quantidade de água no solo e um Verão bastante mais fresco do que é habitual no Douro deixavam antever um período de maturação prolongado e uma vindima facilitada. No entanto, as altas temperaturas que se fizeram sentir a partir do dia 12 de Agosto aceleraram o processo de maturação. A vindima começou mais cedo, no início do mês de Setembro.

A fermentação decorreu em cubas de inox com periodos de maceração, entre 8 a 15 dias. Apenas 20% do vinho estagiou em barricas usadas de carvalho francês, durante 12 meses.

Notas de Prova

Mais carregado na cor que no ano anterior, apresenta notas de fruta preta e vermelha, aromas de especiaria e pedra de xisto. Na boca, é cheio e redondo mas muito fresco, com taninos suaves e uma excelente acidez que prolonga o final de boca.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias

Idade das Cepas

10 - 40 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela e outras

Densidade por HA

4000

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

100-500

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Barrica e inox

Fermentação

Cubas inox

Engarrafado

Maio 2011

Estágio

12 meses em barricas de carvalho francês (20%) e em inox (80%)

Extracto Seco (g/dm3)

28.9

Açúcar Residual (g/dm3)

2.2

Álcool (%)

13.5

pH

3.66

Acidez Total (g/dm3)

5.06

Acidez Volátil (g/dm3)

0.57

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

35

Produção

50.000 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Viandes blanches. Suggestions végétariennes: plats à base de pâtes.

"Putaoya", terra das uvas, também significa “Portugal” em chinês e baseia-se na ideia de criar um vinho tinto agradável e fácil de beber, apesar de manter a sua complexidade, notas minerais e grande profundidade, tal como os vinhos do Douro clássicos.

Vinificação

2010 foi um ano extraordinariamente húmido durante o Inverno e início da Primavera, com chuvas muito fortes que ocorreram durante este período. Por conseguinte, a vindima foi abundante mas o ano vitícola muito pressionado pelas doenças da vinha. O período de maturação foi quente e seco, mas as chuvas ligeiras do início de Setembro e a produção superior ao normal ajudaram as vinhas a terminar a sua maturação de forma mais equilibrada.

A fermentação foi feita em cubas de inox, com períodos de maceração entre 8 e 15 dias. Apenas 25% do vinho estagiou em barricas usadas de carvalho francês e tonéis e balseiros de madeira usada, durante 14 meses.

Notas de Prova

Cor rubi, com aromas onde predominam os frutos vermelhos, folhas de bosque e notas de pimenta. Nota mineral característica dos solos de xisto. Na boca, é marcado pela frescura e pelo comprimento, com uma estrutura de taninos presentes mas muito bem integrados. Grande vivacidade que realça os sabores de fruta fresca e prolonga o fim de boca.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias

Idade das Cepas

10 - 40 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela und andere

Densidade por HA

4000

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

100-500

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Barrica e inox

Fermentação

Cubas inox

Engarrafado

Abril 2012

Estágio

14 meses em barricas de carvalho francês, tonéis e balseiros (25%) e em Inox (75%)

Extracto Seco (g/dm3)

27.4

Açúcar Residual (g/dm3)

2.2

Álcool (%)

13

pH

3.7

Acidez Total (g/dm3)

4.9

Acidez Volátil (g/dm3)

0.6

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

34

Produção

50.000 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Weißes Fleisch. Vegetarische Vorschläge: Nudeln, Pasta.