Bioma Vintage | Vinha VelhaBioma Vintage | Vinha Velha

A introdução de um novo Porto Vintage de excelência ao portefólio da Niepoort, o Bioma | Vinha Velha, dá-nos a oportunidade de criar ou recriar um estilo de Vintage que não só respeita o “terroir”, mas que também nos faz regressar à idade de ouro do Vinho do Porto. No coração do conceito do Bioma | Vinha Velha está uma vinha muito especial (Vinha da Pisca), numa localização muito particular da região do Douro. O Bioma é mais um Porto Vintage de uma só vinha do que um simples Quinta. Durante vários anos, esta vinha foi a base do Porto Vintage da Niepoort. No entanto, desde 2005, temos conseguido estudar em maior detalhe as qualidades desta vinha, gerindo-a de forma biológica e também identificando melhor os vinhos de excelência ali produzidos, que deverão ser separados, como o Bioma em 2008 e o Pisca em 2007. A expressão “Vinha Velha” refere-se à extraordinária idade das videiras na Vinha da Pisca, cuja maioria ultrapassa os 80 anos. O que pretendemos com o Bioma | Vinha Velha é oferecer em pequenas quantidades uma forma antiga de vinificar, mas principalmente de envelhecer um Vintage, mais tempo e em madeira de menores dimensões – a pipa – forma como os vinhos eram transportados para os diferentes países onde seriam consumidos e onde eram também engarrafados.

Vinificação

No nosso centro de vinificação dos Vinhos do Porto, em Vale de Mendiz, as uvas do Bioma são pisadas a pé em lagares de granito, com 100% de engaço. Após a fortificação com aguardente vínica, o Porto fica a estabilizar durante o Inverno. Na Primavera, o vinho é transferido para a nossa adega na Quinta de Nápoles e colocado em pipas (pipas tradicionais de 550l). No caso do Vintage clássico da Niepoort, e da maioria dos outros Vinhos do Porto Vintage, os vinhos são transferidos para Vila Nova de Gaia, onde são envelhecidos em grandes tonéis e balseiros.

A utilização das pipas em vez dos grandes tonéis e balseiros inspirou-se nos “velhos tempos”, quando o vinho era expedido em pipas para Inglaterra. Além disso, engarrafamos o Bioma | Vinha Velha no terceiro ano após a colheita, em vez de o fazer até ao final do segundo ano. Isto significa que oferecemos o Bioma um ano mais tarde que o clássico Porto Vintage. O conjunto destes factores permite uma maior presença de oxigénio no vinho novo, o que - acreditamos nós - irá contribuir para a estabilização de cor e taninos a longo prazo, dando origem a um vinho com todos os seu componentes mais integrados.

Em 2008, o Douro foi abençoado com condições mais frescas e uma vindima tardia, que se tornaram condições excelentes para o conceito do Bioma | Vinha Velha. O produto final é um vinho super brilhante, com uma fruta muito expressiva e uma forte base mineral.

Notas de Prova

De cor muito carregada e brilhante, apresenta um aroma refinado, revelando frutos pretos e vermelhos macerados, notas de pimenta e forte carácter mineral e terroso. Com uma boa estrutura de taninos, no palato é sedoso, mostrando uma grande elegância. Na boca é meio doce, combinando com uma forte estrutura e com um final prolongado. Um excelente exemplo da colheita de 2008.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Vinha da Pisca

Idade das Cepas

80 e mais de 100 anos

Castas

Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinto Cão, Tinta Francisca, Tinta Amarela, Sousão, Touriga Nacional e outras

Densidade por HA

4000-6000

Período de Vindima

Setembro/Outubro

Forma de Vindima

Manual

Fermentação

Lagares/Pisa a pé

Engarrafado

Abril 2011

Estágio

3 anos em pipas

Açúcar Residual (g/dm3)

104.4

Álcool (%)

20

Baumé

3.4

Acidez Total (g/dm3)

4.9

SO2 Total (mg/dm3)

47

Produção

4.800 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Perfeito com Queijo da Serra, Stilton ou outros queijos “azuis”. Sobremesas com doces de ovos, em especial com pão-de-ló.

A introdução de um novo Porto Vintage de excelência ao portefólio da Niepoort, o Bioma | Vinha Velha, dá-nos a oportunidade de criar ou recriar um estilo de Vintage que não só respeita o “terroir”, mas que também nos faz regressar à idade de ouro do Vinho do Porto. No coração do conceito do Bioma | Vinha Velha está uma vinha muito especial (Vinha da Pisca), numa localização muito particular da região do Douro. O Bioma é mais um Porto Vintage de uma só vinha do que um simples Quinta. Durante vários anos, esta vinha foi a base do Porto Vintage da Niepoort. No entanto, desde 2005, temos conseguido estudar em maior detalhe as suas qualidades, gerindo-a de forma biológica e também identificando melhor os vinhos de excelência ali produzidos, que foram separados para a produção destes Vintage, tais como o Bioma 2009, 2008 e o Pisca 2007. A expressão “Vinha Velha” refere-se à extraordinária idade das videiras na Vinha da Pisca, que ultrapassam os 80 anos na sua maioria. O que pretendemos com o Bioma | Vinha Velha é oferecer, em pequenas quantidades, uma forma antiga de vinificar um Vintage, semelhante aos Portos Vintage de 1970 e anteriores, engarrafados em Inglaterra. A excepcional qualidade das vinhas velhas da Vinha da Pisca parece exprimir o seu sentido do lugar de forma magnífica, quando lhe aplicamos a ‘lógica’ de outros tempos.

Vinificação

No nosso centro de vinificação de Vinhos do Porto, em Vale de Mendiz, as uvas do Bioma são pisadas a pé em lagares de granito, com 100% de engaço. Após a fortificação com aguardente vínica, o Porto fica a estabilizar durante o Inverno. Na Primavera, o vinho é transferido para a nossa adega na Quinta de Nápoles e colocado em pipas (pipas tradicionais de 550l). No caso do Vintage clássico da Niepoort, e da maioria dos outros Vinhos do Porto Vintage, os vinhos são transferidos para Vila Nova de Gaia, onde são envelhecidos em grandes tonéis e balseiros. A utilização das pipas em vez dos grandes tonéis e balseiros inspirou-se nos “velhos tempos”, quando o vinho era expedido em pipas para Inglaterra. Para além disso, engarrafamos o Bioma “Vinha Velha” no terceiro ano após a colheita, em vez de o fazer até ao final do segundo ano. Isto significa que oferecemos o Bioma um ano mais tarde do que o clássico Porto Vintage. O ano de 2009 ficou marcado por baixos níveis de precipitação durante a época de maturação e por temperaturas extremamente elevadas desde meados de Agosto e durante a maior parte da vindima.

Notas de Prova

Cor vermelha carregada, apresentando um rebordo vermelho/roxo. Aroma com notas de chocolate negro, a par de frutos pretos jovens e uma vinosidade maravilhosamente fresca; no palato, revela um carácter rústico magnífico e frutos pretos muito bem integrados. Uma combinação fantástica de elegância e força.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Diversas no Cima Corgo

Idade das Cepas

80 e mais de 100 anos

Castas

Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinto Cão, Tinta Francisca, Tinta Amarela, Sousão, Touriga Nacional e outras

Densidade por HA

4000-6000

Período de Vindima

Setembro/Outubro

Forma de Vindima

Manual

Fermentação

Lagares/Pisa a pé

Engarrafado

Abril 2012

Estágio

3 anos em pipas

Açúcar Residual (g/dm3)

93

Álcool (%)

21

Baumé

2.8

Acidez Total (g/dm3)

4.8

Produção

6.625 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Perfeito com Queijo da Serra, Stilton ou outros queijos “azuis”. Sobremesas com doces de ovos, em especial com pão-de-ló.

A introdução de um novo Porto Vintage de excelência ao portefólio da Niepoort, o Bioma | Vinha Velha, dá-nos a oportunidade de criar ou recriar um estilo de Vintage que não só respeita o “terroir”, mas que também nos faz regressar à idade de ouro do Vinho do Porto. No coração do conceito do Bioma | Vinha Velha está uma vinha muito especial (Vinha da Pisca), numa localização muito particular da região do Douro. O Bioma é mais um Porto Vintage de uma só vinha do que um simples Quinta. Durante vários anos, esta vinha foi a base do Porto Vintage da Niepoort. No entanto, desde 2005, temos conseguido estudar em maior detalhe as suas qualidades, gerindo-a de forma biológica e também identificando melhor os vinhos de excelência ali produzidos, que foram separados para a produção destes Vintage, tais como o Bioma 2009, 2008 e o Pisca 2007. A expressão “Vinha Velha” refere-se à extraordinária idade das videiras na Vinha da Pisca, que ultrapassam os 80 anos na sua maioria. O que pretendemos com o Bioma | Vinha Velha é oferecer, em pequenas quantidades, uma forma antiga de vinificar um Vintage, semelhante aos Portos Vintage de 1970 e anteriores, engarrafados em Inglaterra. A excepcional qualidade das vinhas velhas da Vinha da Pisca parece exprimir o seu sentido do lugar de forma magnífica, quando lhe aplicamos a ‘lógica’ de outros tempos.

Vinificação

No nosso centro de vinificação de Vinhos do Porto, em Vale de Mendiz, as uvas do Bioma são pisadas a pé em lagares de granito, com 100% de engaço. Após a fortificação com aguardente vínica, o Porto fica a estabilizar durante o Inverno. Na Primavera, o vinho é transferido para a nossa adega na Quinta de Nápoles e colocado em pipas (pipas tradicionais de 550l). No caso do Vintage clássico da Niepoort, e da maioria dos outros Vinhos do Porto Vintage, os vinhos são transferidos para Vila Nova de Gaia, onde são envelhecidos em grandes tonéis e balseiros. A utilização das pipas em vez dos grandes tonéis e balseiros inspirou-se nos “velhos tempos”, quando o vinho era expedido em pipas para Inglaterra. Para além disso, engarrafamos o Bioma “Vinha Velha” no terceiro ano após a colheita, em vez de o fazer até ao final do segundo ano. Isto significa que oferecemos o Bioma um ano mais tarde do que o clássico Porto Vintage.

Notas de Prova

De cor rubi carregada, apresentando um rebordo roxo. Aroma com notas de chocolate negro, a par de frutos pretos jovens e uma vinosidade maravilhosamente fresca. Fresco e elegante com fruta muito pura no palato, com taninos sedutores que dão uma enorme força e estrutura ao vinho. Uma combinação fantástica de elegância e força.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Diversas no Cima Corgo

Idade das Cepas

80 e mais de 100 anos

Castas

Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinto Cão, Tinta Francisca, Tinta Amarela, Sousão, Touriga Nacional e outras

Densidade por HA

4000-6000

Período de Vindima

Setembro/Outubro

Forma de Vindima

Manual

Fermentação

Lagares/Pisa a pé

Engarrafado

Fevereiro 2014

Estágio

3 anos em pipas

Extracto Seco (g/dm3)

138.1

Açúcar Residual (g/dm3)

110

Álcool (%)

21

Baumé

3.9

pH

3.47

Acidez Total (g/dm3)

5.36

Acidez Volátil (g/dm3)

0.34

SO2 Total (mg/dm3)

92

Massa Volúmica (g/cm3)

1.0254

Produção

8.051 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Perfeito com Queijo da Serra, Stilton ou outros queijos “azuis”. Sobremesas com doces de ovos, em especial com pão-de-ló.

A introdução de um novo Porto Vintage de excelência ao portefólio da Niepoort, o Bioma “Vinha Velha”, dá-nos a oportunidade de criar ou recriar um estilo de Vintage que não só respeita o “terroir”, mas que também nos faz regressar à idade de ouro do Vinho do Porto. No coração do conceito do Bioma “ Vinha Velha” está uma vinha muito especial (Vinha da Pisca), numa localização muito particular da região do Douro.

Durante vários anos, esta vinha foi a base do Porto Vintage da Niepoort. No entanto, desde 2005, temos conseguido estudar em maior detalhe as suas qualidades, gerindo-a de forma biológica e também identificando melhor os vinhos de excelência ali produzidos, que foram separados para a produção destes Vintage, tais como o Bioma 2011, 2009, 2008 e o Pisca 2007.

O Bioma “Vinha Velha” é mais um Porto Vintage de uma só vinha do que um simples Quinta. A expressão “Vinha Velha” refere-se à extraordinária idade das videiras na Vinha da Pisca, que ultrapassam os 80 anos na sua maioria. O que pretendemos com o Bioma “Vinha Velha” é oferecer, em pequenas quantidades, uma forma antiga de vinificar um Vintage, semelhante aos Portos Vintage de 1970 e anteriores, engarrafados em Inglaterra. A qualidade excepcional das vinhas velhas da Vinha da Pisca parece exprimir o seu sentido do lugar de forma magnífica, quando lhe aplicamos a ‘lógica’ de outros tempos.

Vinificação

O Inverno de 2012/13 foi importante na reposição dos níveis de água, depois de vários Invernos secos. Continuou a chover na Primavera, tendo-se registado em Março o maior nível de precipitação dos últimos 50 anos. Entre Novembro e o final de Julho, os níveis de chuva no Cima Corgo (564 mm) foram de 1% acima da média das últimas décadas. Os níveis de chuva relativamente altos e as baixas temperaturas até Junho (em Maio ainda havia neve no Marão!) determinaram um atraso no ciclo vegetativo da vinha.

O tempo aqueceu bastante nos últimos 10 dias de Junho e assim se manteve até ao início de Setembro, com temporais e alguma chuva fraca durante a noite, de 4 a 5 de Setembro; o tempo quente queimou cachos nas vinhas mais expostas. A vindima começou a 12 de Setembro sob excelentes condições meteorológicas e as últimas uvas da vinha da Pisca foram apanhadas a 26 de Setembro – mesmo a tempo – antes da chuva forte que caiu a 27 de Setembro (a decisão de iniciar a vindima da Pisca cedo, fornecendo uvas para o Bioma, foi compensadora).

No nosso centro de vinificação de Vinhos do Porto, em Vale de Mendiz, as uvas foram pisadas a pé na sua totalidade, com 100% de engaço. Após a fortificação com aguardente vínica, o Porto ficou a estabilizar durante o Inverno. Na Primavera, o vinho foi transferido para uma zona muito fresca da adega na Quinta de Nápoles e colocado em pipas (pipas tradicionais de 550l). O envelhecimento deste Porto em pipas numa adega fresca no Douro, e não em grandes tonéis em Gaia, adicionado ao facto de se engarrafar o Bioma “Vinha Velha” no terceiro ano após a colheita, cria um vinho excepcionalmente complexo. Curiosamente, era desta forma que se procedia nos “velhos tempos”, quando o vinho era expedido em pipas para Inglaterra, e era engarrafado mais tarde.

Notas de Prova

De cor roxa carregada, acompanhada por um rebordo roxo. Com o tempo, o vinho ganhou em cor, mas no aroma, a fruta jovem exuberante muito evidente após o seu primeiro Inverno, tornou-se mais fechada, embora ainda muito presente no palato com ameixas e amoras. Taninos granulosos firmes no palato médio dão força e estrutura ao vinho, conduzindo a um final granuloso mas não agressivo.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Diversas no Cima Corgo

Idade das Cepas

80 e mais de 100 anos

Castas

Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinto Cão, Tinta Francisca, Tinta Amarela, Sousão, Touriga Nacional e outras

Densidade por HA

4000-6000

Período de Vindima

Setembro/Outubro

Forma de Vindima

Manual

Fermentação

Lagares/Pisa a pé

Estágio

3 anos em pipas

Extracto Seco (g/dm3)

138.6

Açúcar Residual (g/dm3)

109

Álcool (%)

19.5

Baumé

4.1

pH

3.54

Acidez Total (g/dm3)

4.54

Acidez Volátil (g/dm3)

0.28

SO2 Total (mg/dm3)

40

Massa Volúmica (g/cm3)

1.0274

Sugestão de acompanhamento

Perfeito com Queijo da Serra, Stilton ou outros queijos “azuis”. Sobremesas com doces de ovos, em especial com pão-de-ló.

2015 foi o mais perfeito possível, particularmente para o Vinho do Porto. Um ano em que tivemos tempo para pensar e tomar as decisões certas. As condições meteorológicas ajudaram imenso e as uvas foram colhidas no momento ideal, 40% provenientes da nossa Vinha da Pisca e 60% de várias pequenas parcelas, todas com mais de 80 anos. Os Portos foram produzidos nos lagares de Vale de Mendiz, com 100 % de engaço e pisa a pé. Como resultado, obtivemos vinhos incríveis com uma dimensão pouco comum. Uma estrutura surpreendente, com taninos finos e intensos, uma grande concentração, mas com equilíbrio e harmonia. As condições parecem estar todas reunidas para superar as colheitas de 1955, 1970 e até talvez de 1945 (embora com condições de colheita muito diferentes)... A doçura encontra-se camuflada pelos excelentes taninos, o álcool pela generosa concentração, tudo equilibrado por uma fantástica acidez natural. O nariz é tímido, mas focado, sem sinais de sobre-maturação, apenas uma expressão suave, elegante e fina de fruta e complexidade - é um prazer cheirar todos os elementos escondidos.

O equilíbrio e a harmonia na garrafa, prometem um futuro grandioso, para provar nos próximos anos, sorrindo perante a sua juventude, para degustar de forma adequada daqui a 20 anos, para apreciar realmente daqui a 40 anos, permitindo que as próximas gerações admirem o que o Douro é capaz de conceber.

Dirk Niepoort, 4 de Maio de 2017

Vinificação

O ano vitícola de 2014/2015 caracterizou-se por um inverno frio e muito seco, com um recorde mínimo de precipitação quando comparado com os anos anteriores. Para além disso, a primavera e o verão foram secos e quentes, com três vagas de calor em junho e julho, antes de um mês de agosto mais fresco - a baixa humidade permitiu que a incidência de doenças atingisse um mínimo histórico e, como consequência, que as vinhas originassem bagos extremamente limpos, factor muito importante para um grande Porto Vintage.

A vindima em Vale de Mendiz começou a 28 de agosto em condições favoráveis. Uma pequena quantidade de chuva a 15 e 16 de setembro foi extremamente benéfica e embora a vindima tivesse sido interrompida temporariamente, permitiu que a maturação da uva chegasse ao fim sem os problemas associados à rutura do bago e consequente apodrecimento, o que aconteceria num ano com níveis normais de humidade no solo.

As uvas foram pisados a pé com 100% de engaço. Depois de adicionada a aguardente o vinho ficou a estabilizar em Vale de Mendiz durante o Inverno. Na Primavera, foi transferido para uma zona fresca da adega da Quinta de Nápoles e colocado em pipas (pipas tradicionais de 550l). O envelhecimento em pipas, no Douro, e não em grandes tonéis em Gaia, e o facto de se engarrafar o Bioma “Vinha Velha” no terceiro ano após a colheita, origina um vinho excepcionalmente complexo. Curiosamente, era desta forma que se fazia nos “velhos tempos”, quando o vinho era expedido em pipas para Inglaterra, e era engarrafado mais tarde.

O Bioma Vintage 2015 dá continuidade à tradição da Niepoort no que respeita à criação de Vinhos do Porto equilibrados, com uma grande concentração, elegância e delicadeza. O que torna o ano de 2015 tão singular é a pureza do fruto - o resultado da baixa humidade durante o crescimento e vindima e que não foi afetado pela chuva que caiu em setembro.

Notas de Prova

Cor vermelha escura, brilhante, com aroma de chocolate amargo e frutos pretos do bosque. Medianamente doce no palato médio apresenta uma excelente frescura e acidez seguida de um final taninoso muito firme.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort Vinhos

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Vinha da Pisca

Idade das Cepas

80 e mais de 100 anos

Castas

Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinto Cão, Tinta Francisca, Tinta Amarela, Sousão, Touriga Nacional e outras

Densidade por HA

4.000-6.000

Período de Vindima

Setembro 2015

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não

Fermentação

Lagares/Pisa a pé

Engarrafado

Janeiro 2018

Estágio

3 anos em pipa

Sugestão de acompanhamento

Perfeito com Queijo da Serra, Stilton ou outros queijos “azuis”. Sobremesas com doces de ovos, em especial com pão-de-ló.