Cabeças do ReguengoCabeças do Reguengo

É feito de múltiplas castas antigas existentes numa vinha muito velha, situada na freguesia do Reguengo da Serra de S. Mamede. A exposição da vinha é nascente, a uma altitude de 598 metros e os solos são de origem granítica antiga (Ordovícico).

A produção é muito baixa e, como não é possível referir a dominância de nenhuma casta (são cerca de 14 castas diferentes), dizemos que este vinho é feito simplesmente de uva branca de uma vinha velha. E é assim que queremos que continue a ser. Um aroma e sabor antigo e delicioso que não queremos que deixe de existir na Serra (tão bonita) de S. Mamede.

Vinificação

O ano de 2011 foi um ano normal em termos climatéricos, ainda que uma Primavera chuvosa tenha dado problemas mais ou menos graves com o míldio, um pouco por todo o país. A nossa vinha, em modo de produção biológico desde 2008, nada sofreu, provando-se uma vez mais que os químicos não são necessários na viticultura. Junho, Julho e Agosto foram normais, secos e calmos com uma ou outra onda de calor no final de Julho. Setembro entrou muito chuvoso, mas o tempo quente regressou para se instalar até ao fim das vindimas.

As uvas totalmente sãs do Equinócio 2011 foram colhidas para caixas de 14Kg quilos. Na adega foram esmagadas e prensadas e o mosto decantou naturalmente durante 48 horas. A fermentação com leveduras naturais decorreu em barricas usadas de carvalho até Abril de 2012. Foi engarrafado em Julho de 2012 sem colagem nem filtragem.

Notas de Prova

É um branco subtil, focado na mineralidade e fumados, tem fruto muito sóbrio de perfil clássico, casado com tisanas e especiarias, num todo elegante e complexo. O seu sabor é suave e fino, todo veludo.Um vinho cheio de calma e elegância, com um final intenso e levemente cálido.

Informação Técnica

Produtor

Cabeças do Reguengo

Região

Portalegre/Alentejo

Tipo de Solo

Granito (Ordovícico)

Vinhas

Quinta das Cabeças

Idade das Cepas

Centenárias

Castas

Várias

Condução das Vinhas

Goblet

Altura do Mar

598

Período de Vindima

29 de Agosto 2011

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Barricas velhas de carvalho

Engarrafado

Julho 2012

Açúcar Residual (g/dm3)

2.2

Álcool (%)

13.5

pH

3.21

Acidez Total (g/dm3)

5.4

Acidez Volátil (g/dm3)

0.56

SO2 Total (mg/dm3)

129

Produção

1.490 garrafas

O nosso segundo vinho tinto conhece o mundo no final de 2013.

É feito de castas antigas de uma vinha muito velha, na Serra de S. Mamede. Está voltada a nascente, a uma altitude de 598 metros e o solo granítico formou-se numa era em que não havia oxigénio na nossa atmosfera. Alicante Bouschet, Aragonez e Trincadeira lideram sobre mais 10 outras castas.

Muitas das videiras são raquíticas. Produzem 3 ou 4 pequenos cachos de uvas com um sabor de polpa e película absolutamente distinto. Tudo é diferente nestas plantas: aspecto, exuberância e fruto. É este o trunfo dos vinhos da Serra de S. Mamede.

Vinificação

O ano vitícola chegou sem chuva. O Outono foi quente e seco. Chuva, só a partir de Dezembro. E veio (finalmente) para ficar. Tinha terminado o ciclo de 3 anos secos, em que o ano de 2009 tinha sido de longe o pior (quase 9 meses sem chuva). E assim foi até Abril, mês em que finalmente chegou o bom tempo e começaram os trabalhos vitícolas. Maio, Junho e Julho foram normais, Agosto e Setembro quentes.

A produção foi um pouco mais generosa. Produziu-se quase 900 litros. As uvas foram esmagadas a pé e o vinho fermentou no lagar, antes de mergulhar em três barricas (uma nova, outra de 2º ano e outra velha). À partida, o vinho produzido fpouco prometia, mas 18 meses de estágio deram-lhe um brilho peculiar, assim como uma frescura e fragrância absolutamente distintas. Foi engarrafado e estagiou durante ano e meio em garrafa antes de ser lançado no mercado. Este vinho, tal como o Solstício 2009, são sempre melhores no dia seguinte à abertura da garrafa. Precisam de ar para se entregarem a quem os admira. São vinhos de presente e principalmente de futuro.

Notas de Prova

Um aroma intenso, profundo e muito balsâmico precede um boca cheia de fruto e frescura. O sabor é muito maduro e envolvente mas vibrante de mineralidade, tudo se complementa e casa neste tinto pleno de carácter e alma serrana.

Informação Técnica

Produtor

Cabeças do Reguengo

Região

Portalegre/Alentejo

Tipo de Solo

Granito (Ordovícico)

Vinhas

Quinta das Cabeças

Idade das Cepas

Centenárias

Castas

Verschiedene

Condução das Vinhas

Livre, em taça (Goblet)

Altura do Mar

598

Período de Vindima

9 de Setembro de 2010

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Barricas

Fermentação

Lagar

Engarrafado

Abril 2012

Estágio

18 meses em barrica + 18 meses em garrafa

Açúcar Residual (g/dm3)

2.8

Álcool (%)

14

pH

3.73

Acidez Total (g/dm3)

5.4

Acidez Volátil (g/dm3)

0.89

SO2 Total (mg/dm3)

78

Produção

870 garrafas