DoDaDoDa

Partindo de uma ideia de Rolf Niepoort, Dirk, seu filho, contactou pela primeira vez Álvaro de Castro em 2000 para criar o Dado. A ideia era criar o vinho ideal, associar a elegância e longevidade do Dão à concentração e estrutura do Douro. A quarta edição do Dado conjuga o melhor de duas regiões capazes de produzir grandes vinhos. O Dado 2003 resulta da união de 60% de um lote de vinho do Douro produzido na Quinta de Nápoles, com origem em vinhas com mais de 60 anos, com 40% de um lote do Dão produzido na Quinta da Pellada, proveniente de vinhas velhas da Quinta de Saes e de uma vinha de Touriga Nacional com mais de 20 anos.

Vinificação

O vinho do Douro foi vinificado em lagar tradicional e pisado a pé com maceração pré-fermentativa. Após fermentação de 8 dias, o vinho estagiou durante 15 meses em barricas de carvalho francês, onde realizou a fermentação maloláctica.

O lote Dão foi vinificado em lagares, tendo estagiado em barricas de carvalho francês, onde efectuou a fermentação maloláctica. O lote resulta da junção em partes iguais de vinhas velhas da Quinta de Saes e de uma vinha de Touriga Nacional. Após a união dos lotes, foi feita uma colagem muito fina com clara de ovo, tendo sido posteriormente engarrafado.

Notas de Prova

Cor carregada, aroma complexo com notas florais, de frutos vermelhos típicos da Touriga Nacional, especiado e mineral. Na boca, é envolvente com uma acidez viva, taninos presentes mas suaves, fruta muito fina e uma estrutura impressionante, termina longo e persistente. Um vinho de grande longevidade.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) SA, Álvaro de Castro e Dirk Niepoort

Região

Dão / Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias vinhas, mistura de vinhos

Idade das Cepas

60–80 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela, Tinto Cão

Densidade por HA

6000–5000

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

100–400

Fermentação

Lagares tradicionais

Engarrafado

Maio 2005

Estágio

15 meses em barricas (228l)

Extracto Seco (g/dm3)

31.3

Álcool (%)

13.5

pH

3.62

Acidez Total (g/dm3)

5.6

Acidez Volátil (g/dm3)

0.56

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

30

Produção

5.600 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Es ist ein Wein vollmundiger Wein, dennoch mit guter Säure, die ihn sehr flexibel als Begleitung zu verschiedenen Gerichten macht. Paßt ausgezeichnet zu Entenreis oder Wildfleisch-Gerichten, aber auch zu Eintöpfe.

Partindo de uma ideia de Rolf Niepoort, Dirk, seu filho, contactou pela primeira vez Álvaro Castro em 2000 para criar o Dado. A ideia era criar o vinho ideal, associar a elegância e longevidade do Dão à concentração e estrutura do Douro. A quarta edição do Dado conjuga o melhor de duas regiões capazes de produzir grandes vinhos. O quarto Dado resulta da união de um lote de vinho do Douro produzido na Quinta de Nápoles, com origem em vinhas com mais de 60 anos, e um lote do Dão produzido na Quinta da Pellada proveniente de vinhas com mais de 30 anos, nas quais predomina a Touriga Nacional. O lote de 2004 tem 55% de Dão e 45% de Douro.

Vinificação

O vinho do Douro foi vinificado em lagar tradicional e pisado a pé com maceração pré-fermentativa. Após fermentação de 8 dias, o vinho estagiou durante 15 meses em barricas de carvalho francês, onde realizou a fermentação maloláctica.

O Dão provém de vinhas velhas da Quinta de Saes e da Quinta da Pellada, sendo cerca de metade cepas velhas de Touriga Nacional e as restantes uma mistura de castas tradicionais. O vinho Dão foi vinificado em lagares, tendo feito a maloláctica em cascos de carvalho Allier ff, nos quais estagiou 18 meses.

Notas de Prova

Cor rubi carregada, aroma complexo com notas florais e de frutos vermelhos típicos da Touriga Nacional, especiado e mineral. Na boca, é envolvente com uma acidez viva, taninos presentes mas suaves, fruta muito fina e uma estrutura impressionante, termina longo e persistente. Um vinho de grande longevidade.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) SA, Álvaro de Castro e Dirk Niepoort

Região

Dão / Douro

Tipo de Solo

Douro: xisto; Dão: base granítica com areia ou barro

Vinhas

Diversas vinhas velhas no Douro e no Dão

Idade das Cepas

30–120 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela, Tinto Cão

Densidade por HA

6000

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

100-400: Douro; 500: Dão

Fermentação

Lagar

Engarrafado

Maio 2006

Estágio

15–18 meses em carvalho

Extracto Seco (g/dm3)

32.3

Álcool (%)

13.5

pH

3.65

Acidez Total (g/dm3)

6.3

Acidez Volátil (g/dm3)

0.58

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

30

Produção

5.600 garrafas; 136 Magnums

Sugestão de acompanhamento

É um vinho encorpado mas com boa acidez, o que o torna flexível com vários pratos. Vai muitíssimo bem com arroz de pato ou pratos com caça, assim como com estufados.

Partindo de uma ideia de Rolf Niepoort, Dirk, seu filho, contactou pela primeira vez Álvaro Castro em 2000 para criarem um vinho em conjunto. A ideia era criar o vinho ideal: associar a elegância e longevidade do Dão à concentração e estrutura do Douro. A quinta edição do DoDa (antes chamado DaDo) conjuga o melhor de duas regiões capazes de produzir grandes vinhos. O DoDa resulta da união de um lote de vinho do Douro produzido na Quinta de Nápoles com origem em vinhas com mais de 60 anos e um lote do Dão produzido na Quinta da Pellada proveniente de vinhas com mais de 30 anos, nas quais predomina a Touriga Nacional. O lote de 2004 tem 55% de Dão e 45% de Douro.

Vinificação

O vinho do Douro foi vinificado em lagar tradicional e pisado a pé com maceração pré-fermentativa. Após fermentação de 8 dias, o vinho estagiou durante 20 meses em barricas de carvalho francês, onde realizou a fermentação maloláctica.

O Dão provém de vinhas velhas da Quinta de Saes e da Quinta da Pellada. Sendo cerca de metade cepas velhas de Touriga Nacional e as restantes uma mistura de castas tradicionais. O vinho Dão foi vinificado em lagares, tendo feito a maloláctica em cascos de carvalho Allier ff, nos quais estagiou 24 meses.

Notas de Prova

Aroma muito complexo com notas florais e de frutos vermelhos típicos da Touriga Nacional, especiado e mineral. Na boca, é envolvente com uma acidez viva, taninos presentes mas suaves, fruta muito fina e uma estrutura impressionante, termina longo e persistente. Um vinho de grande longevidade.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) SA, Álvaro de Castro e Dirk Niepoort

Região

Dão / Douro

Tipo de Solo

Douro: xisto; Dão: base granítica com areia ou barro

Vinhas

Diversas vinhas velhas no Douro e no Dão

Idade das Cepas

30-120 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela, Tinto Cão

Densidade por HA

6000

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

100-400: Douro; 500: Dão

Fermentação

Lagar

Engarrafado

Outubro 2007

Estágio

20-24 meses em barricas de carvalho

Extracto Seco (g/dm3)

33.5

Álcool (%)

13.5

pH

3.68

Acidez Total (g/dm3)

6.7

Acidez Volátil (g/dm3)

0.5

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

30

Produção

4.608 garrafas; 212 Magnums

Sugestão de acompanhamento

É um vinho encorpado mas com boa acidez, o que o torna flexível com vários pratos. Vai muitíssimo bem com arroz de pato ou pratos com caça, assim como com estufados.

O primeiro ano da Aventura do Dado, agora denominado Doda, ocorreu no ano 2000, tendo por base uma ideia antiga de Rolf Niepoort – o vinho Português ideal será aquele que consiga aliar a elegância, frescura e longevidade dos vinhos do Dão à estrutura e potência dos vinhos do Douro, que consiga conciliar a fruta madura dos solos de xisto do Douro com os aromas de caruma e a mineralidade dos solos graníticos do Dão. Foi com esta ideia que Dirk contactou pela primeira vez Álvaro de Castro, para juntar dois lotes, um de cada região, em proporções semelhantes, na busca de equilíbrio. Desde então, todos os anos Dirk e Álvaro juntam-se na busca do lote que melhor expresse este conceito. Por se tratar de vinhos com origem em duas regiões demarcadas distintas, o vinho é classificado como vinho de mesa.

Vinificação

A 6ª edição do Doda apresenta na sua composição 50% de um lote Dão e 50% de um lote Douro.

O vinho do Douro é proveniente de vinhas com mais de 60 anos, onde predominam as castas Touriga Franca e Tinta Roriz. A sua vinificação foi feita em cubas tronco cónicas com macerações de 30 dias. A fermentação maloláctica ocorreu em barricas usadas de carvalho francês, onde o vinho estagiou durante 20 meses. O lote do Dão é proveniente da Quinta da Pellada, do talhão 5 de Touriga Nacional, bem como de vinhas velhas, onde impera a mistura de castas tradicionais da região. A vinificação foi feita em lagares e o vinho estagiou em barricas de carvalho francês, novas e usadas durante 20 meses, onde também ocorreu a fermentação maloláctica.

Notas de Prova

Aroma muito complexo com notas especiadas, caruma e terra húmida, com discretos aromas florais e de frutos vermelhos. Na boca, mostra uma acidez muito viva, mineral, de estrutura impressionante e bem delineada, com taninos bem integrados, fruta muito fina e complexa. Termina longo e persistente. Um vinho de grande longevidade.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) SA, Álvaro de Castro e Dirk Niepoort

Região

Dão / Douro

Tipo de Solo

Douro: xisto; Dão: base granítica com areia ou barro

Vinhas

Diversas vinhas velhas no Douro e no Dão

Idade das Cepas

30-80 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela, Tinto Cão

Densidade por HA

6000

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

100-400: Douro; 500: Dão

Fermentação

Lagar, cuba e balseiro

Engarrafado

Julho 2009

Estágio

20-22 meses em barricas de carvalho

Álcool (%)

13.5

pH

3.68

Acidez Total (g/dm3)

4.9

Acidez Volátil (g/dm3)

0.58

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

24

Produção

3.238 garrafas; 946 Magnums

Sugestão de acompanhamento

É um vinho encorpado mas com boa acidez, o que o torna flexível com vários pratos. Vai muitíssimo bem com arroz de pato ou pratos com caça, assim como com estufados.

O primeiro ano em que se produziu Doda (Dado até 2004), foi em 2000, e teve por base uma ideia antiga de Rolf Niepoort, “o vinho português ideal será aquele que consiga aliar a elegância, frescura e longevidade dos vinhos do Dão, à estrutura e potência dos vinhos do Douro, que consiga conciliar a fruta madura dos solos de xisto do Douro com os aromas de caruma e a mineralidade dos solos graníticos do Dão”. Foi com base nesta ideia que Dirk contactou pela primeira vez Álvaro de Castro, com o objectivo de juntar dois lotes, um de cada região, em proporções semelhantes, na busca de equilíbrio. Desde então, todos os anos Dirk e Álvaro preparam um lote que melhor expresse este conceito.

Vinificação

As noites frias de 2008, em ambas as regiões, proporcionaram vinhos onde predominam os aromas de fruta vermelha fresca e uma extraordinária acidez, contribuindo para um grande equilíbrio e potencial de envelhecimento.

A 7ª edição do Doda apresenta na sua composição 50% de um lote Dão e 50% de um lote Douro. O vinho do Douro é proveniente de vinhas com mais de 60 anos, plantadas numa encosta virada a norte, onde predominam as castas Touriga Franca e Tinta Roriz. A vinificação foi feita em cubas de inox com macerações de 45 dias e a fermentação maloláctica ocorreu em barricas usadas de carvalho francês, onde o vinho estagiou durante 20 meses.

O lote do Dão é proveniente da Quinta da Pellada, do talhão 5 de Touriga Nacional, e de vinhas velhas onde impera a mistura de castas tradicionais da região. A vinificação foi feita em lagares e o vinho estagiou em barricas de carvalho francês, novas e usadas, durante 20 meses, onde também decorreu a fermentação maloláctica.

Notas de Prova

Aroma complexo, com fruta muito fina, frutos vermelhos combinados com notas de especiarias, caruma, terra húmida e discretos aromas florais. Na boca, mostra uma acidez muito viva, cheio de fruta e notas minerais. Os taninos mostram-se muito bem integrados e afinados, suportando uma estrutura sólida mas nada pesada, termina longo e persistente. Um vinho que terá uma grande longevidade.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) SA, Álvaro de Castro e Dirk Niepoort

Região

Dão / Douro

Tipo de Solo

Douro: xisto; Dão: base granítica com areia ou barro

Vinhas

Diversas vinhas velhas no Douro e no Dão

Idade das Cepas

30-80 anos

Castas

Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela

Densidade por HA

6000

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

100-400: Douro; 500: Dão

Fermentação

Inox, lagar e cuba

Engarrafado

Julho 2010

Estágio

20 meses em barricas de carvalho

Extracto Seco (g/dm3)

31

Álcool (%)

13

Acidez Total (g/dm3)

5.45

Acidez Volátil (g/dm3)

0.72

Produção

3.000 garrafas; 200 Magnums

Sugestão de acompanhamento

É um vinho encorpado mas com boa acidez, o que o torna flexível com vários pratos. Vai muitíssimo bem com arroz de pato ou pratos com caça, assim como com estufados.

Rolf Niepoort foi o impulsionador e o seu filho Dirk o criador deste projecto que começou em 2000. Esta é a 9ª edição do Doda, colheita de 2010. Este vinho nasce do conceito de Rolf Niepoort, segundo o qual “o vinho Português ideal será aquele que consiga aliar a elegância, frescura e longevidade dos vinhos do Dão à estrutura e potência dos vinhos do Douro, que consiga conciliar a fruta dos solos de xisto do Douro com os aromas de caruma e mineralidade dos solos graníticos do Dão.”

O Doda 2010 (Dado até 2004) conjuga o melhor das duas regiões. Esta edição resulta da união de 60% de um lote de vinho do Douro, produzido na Quinta de Nápoles com origem em vinhas muito antigas, tendo uma delas mais de 120 anos, e de 40% de um lote do Dão produzido na Quinta da Pellada, proveniente de vinhas velhas, e com castas típicas da região: Tourigo, Jaen, Alfrocheiro e Tinta Roriz.

Vinificação

O lote do Dão foi vinificado em lagar, tendo estagiado em barricas de carvalho francês, onde efectuou a fermentação maloláctica. Cerca de 20% do vinho do Douro foi vinificado em cuba e os restantes 80% em lagar tradicional, onde foi pisado a pé com maceração pré-fermentativa.

Após fermentação de 10 dias, o vinho estagiou durante 21 meses em barricas de carvalho francês, onde realizou a fermentação maloláctica. Após a união dos lotes, este Doda foi engarrafado sem qualquer adição de cola.

Notas de Prova

O Doda apresenta-se límpido, com uma cor rubi carregada. Os seus aromas são de fruta vermelha fresca, com notas de especiarias, terra molhada e alguma caruma. Na boca, apresenta-se com boa acidez, os seus taninos são suaves e mostram-se bem integrados, num vinho muito equilibrado com um final de boca longo e persistente. É um vinho com grande capacidade de envelhecimento.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) SA, Álvaro de Castro e Dirk Niepoort

Região

Dão / Douro

Tipo de Solo

Douro: xisto; Dão: base granítica com areia ou barro

Vinhas

Diversas vinhas velhas no Douro e no Dão

Idade das Cepas

30-80 anos

Castas

Jaen, Tourigo, Alfrocheiro, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Amarela, Tinto Cão

Densidade por HA

6000

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

100-400: Douro; 500: Dão

Fermentação

Lagar, cuba e balseiro

Engarrafado

Agosto 2012

Estágio

21 meses em barricas

Álcool (%)

13.5

pH

3.64

Acidez Total (g/dm3)

5.1

Acidez Volátil (g/dm3)

0.67

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

24

Produção

5.491 garrafas; 100 Magnums

Sugestão de acompanhamento

É um vinho encorpado mas com boa acidez, o que o torna flexível com vários pratos. Vai muitíssimo bem com arroz de pato ou pratos com caça, assim como com estufados.

Rolf Niepoort foi o impulsionador e o seu filho Dirk o criador deste projecto que começou em 2000. Esta é a 10ª edição do Doda, colheita de 2011. Este vinho nasce do conceito de Rolf Niepoort, segundo o qual “o vinho Português ideal será aquele que consiga aliar a elegância, frescura e longevidade dos vinhos do Dão à estrutura e potência dos vinhos do Douro, que consiga conciliar a fruta dos solos de xisto do Douro com os aromas de caruma e mineralidade dos solos graníticos do Dão.”

O Doda 2011 (Dado até 2004) conjuga o melhor das duas regiões. Esta edição resulta da união de 60% de um lote de vinho do Douro, produzido na Quinta de Nápoles com origem em vinhas muito antigas, tendo uma delas mais de 120 anos, e de 40% de um lote do Dão produzido na Quinta da Pellada, proveniente de vinhas velhas, e com castas típicas da região: Tourigo, Jaen, Alfrocheiro e Tinta Roriz.

Vinificação

A grande parte do lote Dão foi vinificada em lagar, tendo depois estagiado em barricas de carvalho francês, onde efectuou a fermentação maloláctica.

Cerca de 50% do lote Douro foi vinificado em cuba e o restante em lagar de granito tradicional, onde foi pisado a pé com uma curta maceração pré-fermentativa.

Após fermentação de 15 dias, o vinho estagiou durante 21 meses em barricas de carvalho francês, onde realizou a fermentação maloláctica. Após a união dos lotes, este Doda foi engarrafado sem qualquer adição de cola.

Notas de Prova

O Doda apresenta uma bonita cor rubi carregada. Muito primaveril no aroma, com frescas notas florais e de frutos silvestres, num conjunto harmonioso mas muito vivo e expressivo. Na boca, vigoroso e com bom volume, mostra-se muito envolvente e profundo. Os taninos estão presentes mas bem integrados, estruturado e de perfil mineral. O final de boca é longo, carnudo e repleto de frutos silvestres. Um vinho que dá muito prazer enquanto novo, graças à sua robustez, embora se preveja um longo e saudável envelhecimento em cave.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) SA, Álvaro de Castro e Dirk Niepoort

Região

Dão / Douro

Tipo de Solo

Douro: xisto; Dão: base granítica com areia ou barro

Vinhas

Diversas vinhas velhas no Douro e no Dão

Idade das Cepas

30-80 anos

Castas

Jaen, Tourigo, Alfrocheiro, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Amarela, Tinto Cão

Densidade por HA

6000

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

100-400: Douro; 500: Dão

Fermentação

Lagar, cuba e balseiro

Engarrafado

Junho 2013

Estágio

20 meses em barricas

Álcool (%)

13.5

Produção

5.088 garrafas; 100 Magnums

Sugestão de acompanhamento

É um vinho encorpado mas com boa acidez, o que o torna flexível com vários pratos. Vai muitíssimo bem com arroz de pato ou pratos com caça, assim como com estufados.

Rolf Niepoort foi o impulsionador e Dirk o criador deste projecto que começou há 17 anos. Este vinho nasce da ideia de Rolf Niepoort, de que “o vinho Português ideal será aquele que consiga aliar a elegância, frescura e longevidade dos vinhos do Dão à estrutura e potência dos vinhos do Douro, que consiga conciliar a fruta dos solos de xisto do Douro com os aromas de caruma e mineralidade dos solos graníticos do Dão.” Esta edição resulta da união de 60% de um lote de vinho do Douro, produzido na Quinta de Nápoles proveniente de vinhas muito antigas, uma delas com mais de 120 anos, e de 40% de um lote do Dão produzido na Quinta da Pellada, proveniente de vinhas velhas, com as castas típicas da região: Tourigo, Jaen, Alfrocheiro e Tinta Roriz.

Vinificação

A grande parte do lote Dão foi vinificada em lagar, tendo depois estagiado em barricas de carvalho francês, onde efectuou a fermentação maloláctica.

Cerca de 50% do lote Douro foi vinificado em cuba e os restantes em lagar de granito tradicional, onde foi pisado a pé com uma curta maceração pré-fermentativa. Após a fermentação, o vinho estagiou 21 meses em barricas de carvalho francês, onde realizou a fermentação maloláctica. O Doda foi engarrafado sem qualquer adição de cola.

Notas de Prova

De bonita cor rubi carregada, num ano equilibrado como 2012, o Doda mostra um aroma floral, com frutos pretos, muito complexo e com alguma exuberância. A madeira encontra-se em plena harmonia com um perfil mineral e muito delicado. De boa concentração na boca, com presença e de taninos firmes, é um vinho com muita estrutura. A mineralidade e a boa acidez trazem frescura e equilíbrio, num final de boca muito longo e silvestre. A força do Douro com a elegância do Dão em plena harmonia! Irá envelhecer com nobreza.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) SA, Álvaro de Castro e Dirk Niepoort

Região

Dão / Douro

Tipo de Solo

Douro: xisto; Dão: base granítica com areia ou barro

Vinhas

Diversas vinhas velhas no Douro e no Dão

Idade das Cepas

30-80 anos

Castas

Jaen, Tourigo, Alfrocheiro, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Amarela, Tinto Cão

Densidade por HA

6000

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

100-400: Douro; 500: Dão

Fermentação

Lagar, cuba e balseiro

Engarrafado

Julho 2014

Estágio

20 meses em barricas

Álcool (%)

13.5

Produção

6450 garrafas

Sugestão de acompanhamento

É um vinho encorpado mas com boa acidez, o que o torna flexível com vários pratos. Vai muitíssimo bem com arroz de pato ou pratos com caça, assim como com estufados.