TiaraTiara

O Tiara é um vinho de grande frescura, pouco comum na região do Douro, proveniente de vinhas muito velhas e plantadas a mais de 600 metros de altitude.

É um vinho branco com boa acidez, onde predominam as notas minerais e de fruta fresca, com grande intensidade e um bom potencial de envelhecimento. A sua fermentação lenta, que se pode estender até 5 meses, permite conservar toda a complexidade das vinhas velhas onde predomina a casta Códega do Larinho. De grande complexidade aromática, o Tiara conjuga a concentração das vinhas velhas com uma acidez fresca e mineral que lhe prolonga a prova.

Vinificação

O ano de 2004, quente e com algumas chuvas em Agosto, permitiu uma acidez muito difícil de conseguir na Região do Douro. Foram utilizadas pequenas parcelas de vinhas de lavradores da margem direita do Douro, a mais de 600 metros de altitude.

O mosto foi decantado a baixa temperatura por um período de 24 horas, antes de iniciar o processo de vinificação. Sem inoculação, o vinho teve uma fermentação muito lenta na presença das borras finas, por um período superior a 2 meses e o estágio decorreu durante 6 meses em cubas, sem fermentação maloláctica. O vinho foi engarrafado em Maio de 2005, após estabilização.

Notas de Prova

Aroma frutado e fresco, com fruta preta concentrada e notas de café e moka que lhe conferem elegância e personalidade. Na boca, é encorpado e concentrado com uma boa estrutura, mas sempre fresco e longo. A madeira está muito bem integrada, contribuindo para um final elegante e longo.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Vinhas de lavradores

Idade das Cepas

40, 60 e mais de 80 anos

Castas

Códega, Rabigato, Donzelinho, Viosinho, Arinto e outras

Densidade por HA

4500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

650-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Cuba inox

Engarrafado

Agosto 2005

Estágio

6 meses em cuba inox

Extracto Seco (g/dm3)

23.8

Álcool (%)

13.9

pH

3.18

Acidez Total (g/dm3)

5.33

Acidez Volátil (g/dm3)

0.34

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

45

Produção

5.300 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um vinho de grande frescura, pouco comum na região do Douro, proveniente de vinhas muito velhas e plantadas a mais de 600 metros de altitude.

É um vinho branco com boa acidez, onde predominam as notas minerais e de fruta fresca, com grande intensidade e um bom potencial de envelhecimento. A sua fermentação lenta, que se pode estender até 5 meses, permite conservar toda a complexidade das vinhas velhas onde predomina a casta Códega do Larinho. De grande complexidade aromática, o Tiara conjuga a concentração das vinhas velhas com uma acidez fresca e mineral que lhe prolonga a prova.

Vinificação

O ano de 2005 foi especialmente quente e seco, no entanto, a chuva ligeira ocorrida no início de Setembro permitiu equilibrar o processo de maturação nos vinhedos. As cotas altas (superiores a 600m), onde se encontram plantadas as vinhas, permitem obter mostos frescos e equilibrados, mesmos em anos difíceis.

As uvas foram colhidas no início de Setembro e, após desengace total, foram suavemente prensadas. O mosto obtido foi decantado a baixas temperaturas, e a vinificação, sem inoculação e na presença de borras finas, prolongou-se por um período superior a 3 meses. O estágio, tal como a fermentação, é feito em inox, sem fermentação maloláctica.

Notas de Prova

Notas cítricas e de maçã verde é o que sobressai de um aroma muito fino, fresco, com uma nota mineral muito presente. Na prova, o vinho mostra-se vivo, com uma boa estrutura, aroma intenso e complexo, volumoso e com uma excepcional leveza. Frescura e elegância suportadas por uma boa acidez. Final muito longo e persistente.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Vinhas de lavradores

Idade das Cepas

40, 60 e 80 anos

Castas

Códega, Rabigato, Donzelinho, Viosinho, Arinto e outras

Densidade por HA

4500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

650-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Cuba inox

Engarrafado

Maio 2006

Estágio

6 meses em cuba de inox

Extracto Seco (g/dm3)

19.1

Álcool (%)

13

pH

3.19

Acidez Total (g/dm3)

3.15

Acidez Volátil (g/dm3)

0.39

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

30

Produção

10.400 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um vinho de grande frescura, pouco comum na região do Douro, proveniente de vinhas muito velhas e plantadas a mais de 600 metros de altitude.

É um vinho branco com boa acidez, onde predominam as notas minerais e de fruta fresca, com grande intensidade e um bom potencial de envelhecimento. A sua fermentação lenta, que se pode estender até 5 meses, permite conservar toda a complexidade das vinhas velhas onde predomina a casta Códega do Larinho. De grande complexidade aromática, o Tiara conjuga a concentração das vinhas velhas com uma acidez fresca e mineral que lhe prolonga a prova.

Vinificação

2006 foi um ano bastante menos seco que os anteriores. Durante o Inverno, a chuva foi abundante e toda a Primavera decorreu com teores relativamente elevados de humidade. O processo de maturação começou lento e equilibrado e as chuvas ocorridas em meados de Agosto auspiciavam uma boa vindima; no entanto, as altas temperaturas que se fizeram sentir durante a última semana de Agosto e as duas primeiras de Setembro forçaram uma antecipação da vindima para os primeiros dias de Setembro.

Após desengace total, as uvas foram suavemente prensadas e o mosto obtido foi decantado a baixas temperaturas. A vinificação sem inoculação decorreu em inox na presença de borras finas e prolongou-se por um período de 4 meses.

Notas de Prova

Cítrico com notas de maçã verde e fruto de caroço; intenso e elegante, termina com notas minerais. Na prova, o vinho mostra-se vivo, cheio e com uma boa estrutura, de aroma intenso e complexo com notas de frutos tropicais, volumoso mas de grande leveza. Frescura e elegância suportadas por uma boa acidez. Final muito longo e persistente.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Vinhas de lavradores

Idade das Cepas

40, 60 e mais de 80 anos

Castas

Códega, Rabigato, Donzelinho, Viosinho, Arinto e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Cuba inox

Engarrafado

Maio 2007

Estágio

6 meses em cuba inox

Extracto Seco (g/dm3)

19.1

Álcool (%)

14.1

pH

3.3

Acidez Total (g/dm3)

4.7

Acidez Volátil (g/dm3)

0.4

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

30

Produção

6.700 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um vinho de grande frescura, pouco comum na região do Douro, proveniente de vinhas muito velhas e plantadas a mais de 600 metros de altitude.

É um vinho branco com boa acidez, onde predominam as notas minerais e de fruta fresca, com grande intensidade e um bom potencial de envelhecimento. A sua fermentação lenta, que se pode estender até 5 meses, permite conservar toda a complexidade das vinhas velhas onde predomina a casta Códega do Larinho. De grande complexidade aromática, o Tiara conjuga a concentração das vinhas velhas com uma acidez fresca e mineral que lhe prolonga a prova.

Vinificação

2007 foi um ano excelente para os vinhos produzidos no Douro. A Primavera húmida permitiu manter os níveis de água no solo, o que, apesar de ter aumentado a pressão de míldio e oídio sobre as vinhas, contribuiu para uma maturação lenta e equilibrada. O mês de Agosto decorreu fresco, não se tendo verificado temperaturas excessivas tão comuns neste mês na região do Douro. A vindima decorreu com tempo seco e temperaturas amenas.

As uvas do Tiara foram vindimadas no início de Setembro. Após desengace total, as uvas foram suavemente prensadas e o mosto obtido foi naturalmente decantado a baixas temperaturas. A vinificação sem inoculação decorreu em inox, na presença de borras finas e prolongou-se por um período superior a 4 meses.

Notas de Prova

Aroma muito mineral, delicado e subtil, com notas cítricas e de maçã verde; carácter redutivo, de grande frescura e complexidade. Na prova, o vinho mostra-se muito vivo e complexo com uma acidez vibrante, frutado leve muito mineral e termina com grande persistência.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Vinhas de lavradores

Idade das Cepas

40, 60 até 100 anos

Castas

Códega, Rabigato, Donzelinho, Viosinho, Arinto e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Cuba aço inox

Engarrafado

Junho 2008

Estágio

8 meses em cuba em aço inox

Extracto Seco (g/dm3)

22.2

Álcool (%)

12.55

pH

3.15

Acidez Total (g/dm3)

6.21

Acidez Volátil (g/dm3)

0.3

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

32

Produção

8.016 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um vinho de grande frescura, pouco comum na região do Douro, proveniente de vinhas muito velhas e plantadas a mais de 600 metros de altitude.

É um vinho branco com boa acidez, onde predominam as notas minerais e de fruta fresca, com grande intensidade e um bom potencial de envelhecimento. A sua fermentação lenta, que se pode estender até 5 meses, permite conservar toda a complexidade das vinhas velhas onde predomina a casta Códega do Larinho. De grande complexidade aromática, o Tiara conjuga a concentração das vinhas velhas com uma acidez fresca e mineral que lhe prolonga a prova.

Vinificação

2008 foi um ano fresco, ideal para os vinhos do Douro. Tal como em 2007, as chuvas que ocorreram durante a Primavera foram de extrema importância, uma vez que ajudaram a manter o nível de humidade no solo, o que permitiu um processo de maturação lento e equilibrado. As noites frias registadas durante o período de maturação foram muito importantes para manter os aromas frescos até à vindima. A baixa produção proporcionou elevadas concentrações dos mostos obtidos. A vindima ocorreu durante o mês de Setembro e, depois de totalmente desengaçadas, as uvas foram prensadas e o mosto decantado durante cerca de 18 horas. A fermentação alcoólica ocorreu em cubas de inox em contacto com as borras finas durante mais de 4 meses. A fermentação maloláctica não se realizou. O vinho foi engarrafado na primeira semana de Junho.

Notas de Prova

Elevada complexidade e mineralidade, com aromas intensos a frutos cítricos, maçãs verdes e notas de fruta de caroço. Regista-se ainda um carácter redutivo com boa acidez e complexidade. No paladar, é vibrante e intenso a frutos frescos, com notas de alperce e excepcionalmente fresco e volumoso ao mesmo tempo. Intensas notas minerais e muito persistente.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Diferentes vinhas

Idade das Cepas

40, 60 até 100 anos

Castas

Códega, Rabigato, Donzelinho, Viosinho, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Cubas em inox

Engarrafado

Junho 2009

Estágio

8 meses em cubas de inox

Extracto Seco (g/dm3)

20.6

Açúcar Residual (g/dm3)

4

Álcool (%)

12.42

pH

3.22

Acidez Total (g/dm3)

5.67

Acidez Volátil (g/dm3)

0.47

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

22

Produção

10.200 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um vinho de grande frescura, pouco comum na região do Douro, proveniente de vinhas muito velhas e plantadas a mais de 600 metros de altitude.

É um vinho branco com boa acidez, onde predominam as notas minerais e de fruta fresca, com grande intensidade e um bom potencial de envelhecimento. A sua fermentação lenta, que se pode estender até 5 meses, permite conservar toda a complexidade das vinhas velhas onde predomina a casta Códega do Larinho. De grande complexidade aromática, o Tiara conjuga a concentração das vinhas velhas com uma acidez fresca e mineral que lhe prolonga a prova.

Vinificação

2009 foi um ano muito fresco, até ao início de Agosto. Uma boa quantidade de água no solo e um Verão bastante mais fresco do que é habitual no Douro deixavam antever um período de maturação prolongado e uma vindima facilitada; no entanto, as altas temperaturas que se fizeram sentir a partir do dia 12 de Agosto aceleraram o processo de maturação sem o aparecimento de uvas passas. A vindima começou mais cedo, no início do mês de Setembro.

Após selecção manual dos cachos na adega, foi feito desengaço total; as uvas foram prensadas durante a noite e o mosto decantado durante cerca de 24 horas. A fermentação ocorreu em pequenas cubas de inox na presença das borras finas durante mais de quatro meses. A fermentação maloláctica foi bloqueada no fim da fermentação alcoólica. O vinho foi engarrafado na segunda semana de Maio.

Notas de Prova

Complexo e mineral, apresenta intensos aromas de citrinos e maçãs verdes. Com notas de pedra molhada e, apesar de uma vindima quente, mostra apenas frescura no aroma. Na boca é intenso, com aromas de fruta fresca e uma incrível leveza. Mais seco que em versões anteriores, o Tiara 2009 é marcado pela sua mineralidade.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Diferentes vinhas

Idade das Cepas

40, 60 até 100 anos

Castas

Códega, Rabigato, Donzelinho, Viosinho, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Cubas de inox

Engarrafado

Maio 2010

Estágio

8 meses em cubas de inox

Extracto Seco (g/dm3)

17.2

Açúcar Residual (g/dm3)

1.8

Álcool (%)

12.9

pH

3.33

Acidez Total (g/dm3)

4.75

Acidez Volátil (g/dm3)

0.35

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

12

Produção

19.219 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um vinho de grande frescura, pouco comum na região do Douro, proveniente de vinhas muito velhas e plantadas a mais de 600 metros de altitude.

É um vinho branco com boa acidez, onde predominam as notas minerais e de fruta fresca, com grande intensidade e um bom potencial de envelhecimento. A sua fermentação lenta, que se pode estender até 5 meses, permite conservar toda a complexidade das vinhas velhas onde predomina a casta Códega do Larinho. De grande complexidade aromática, o Tiara conjuga a concentração das vinhas velhas com uma acidez fresca e mineral que lhe prolonga a prova.

Vinificação

2010 foi um ano extraordinariamente húmido, durante o Inverno e início da Primavera, com chuvas muito fortes. Como consequência disso, a vindima foi abundante, mas o ano vitícola muito pressionado pelas doenças da vinha. O período de maturação foi quente e seco, no entanto, as chuvas ligeiras do início de Setembro ajudaram, especialmente as vinhas mais velhas plantadas em altitude, a terminarem a sua maturação de uma forma mais equilibrada. A vindima foi feita no início de Setembro.

Após transporte em camião refrigerado, as uvas foram prensadas a baixa temperatura sem qualquer maceração. O mosto foi decantado durante 24 horas; a fermentação alcoólica decorreu durante 4 meses em pequenas cubas de inox e na presença de borras finas. 10% foi fermentado em tonéis de madeira usada de 1300 litros. A fermentação maloláctica foi bloqueada no fim da fermentação alcoólica. O vinho foi engarrafado na primeira semana de Junho.

Notas de Prova

Muito complexo com notas minerais e cítricas muito intensas, aromas de erva fresca, notas fumadas e ligeiro carácter redutivo prometendo uma vida longa na garrafa. Na boca é muito fresco, mostrando a concentração e elegância das vinhas muito velhas. Vibrante e intenso, é dominado pelo carácter mineral e casca de fruto citrino, complexo e fresco com grande potencial de envelhecimento.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Diferentes vinhas

Idade das Cepas

40, 60 e 100 anos

Castas

Códega, Rabigato, Donzelinho, Boal, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Cubas inox e 10% em madeira usada

Engarrafado

Junho 2011

Estágio

8 meses em cubas inox e 10% em tonéis de madeira usada

Extracto Seco (g/dm3)

16.4

Açúcar Residual (g/dm3)

2.6

Álcool (%)

13

pH

3.3

Acidez Total (g/dm3)

4.29

Acidez Volátil (g/dm3)

0.42

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

30

Produção

9.688 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um vinho de grande frescura, pouco comum na região do Douro, proveniente de vinhas muito velhas e plantadas a mais de 600 metros de altitude.

É um vinho branco com boa acidez, onde predominam as notas minerais e de fruta fresca, com grande intensidade e um bom potencial de envelhecimento. A sua fermentação lenta, que se pode estender até 5 meses, permite conservar toda a complexidade das vinhas velhas onde predomina a casta Códega do Larinho. De grande complexidade aromática, o Tiara conjuga a concentração das vinhas velhas com uma acidez fresca e mineral que lhe prolonga a prova.

Vinificação

O ano de 2011 caracterizou-se por uma floração muito precoce e todo o ciclo vegetativo foi antecipado com a vindima a iniciar-se mais cedo do que nunca. No entanto, as vinhas plantadas a maior altitude foram mais lentas do que as restantes e, quando a vindima terminou, todos os vinhos apresentavam uma boa quantidade de ácido málico, factor muito importante para dar um palato fresco aos vinhos brancos, que não efectuam a fermentação maloláctica.

Após o transporte refrigerado e uma selecção, as uvas foram submetidas a uma rápida prensagem, durante a noite, sem qualquer maceração, e foram decantadas a baixa temperatura por um período de 24 horas. A fermentação alcoólica decorreu durante 3 meses em pequenas cubas de inox e na presença de borras finas. 12% foi fermentado em tonéis de madeira usada de 500 litros. A fermentação maloláctica foi bloqueada no fim da fermentação alcoólica. O vinho foi engarrafado no final de Junho.

Notas de Prova

Muito complexo, com notas minerais e cítricas muito intensas, aromas de erva fresca, notas fumadas e ligeiro carácter redutivo prometendo uma vida longa na garrafa. Na boca é muito fresco, mostrando a concentração e elegância das vinhas muito velhas. Vibrante e intenso, é dominado pelo carácter mineral e casca de fruto citrino, complexo e fresco com grande potencial de envelhecimento.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Diferentes vinhas

Idade das Cepas

40, 60 até 100 anos

Castas

Códega, Rabigato, Donzelinho, Boal, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Não realizada

Fermentação

Cubas de inox e 12% em madeira usada

Engarrafado

Junho 2012

Estágio

10 meses em cubas de inox e 12% em tonéis de madeira usada de 500 litros

Extracto Seco (g/dm3)

17.5

Álcool (%)

13

pH

3.27

Acidez Total (g/dm3)

4.6

Acidez Volátil (g/dm3)

0.4

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

24

Produção

9.800 garrafas

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara 2012 é diferente das edições anteriores. Tentou-se criar um vinho com garra, elegante e muito fresco. A excelente acidez das vinhas de maior altitude, combinada com a mineralidade dos solos, originou, em 2012, um branco com uma energia única, um perfil fino e muito vibrante.

É na vinha que temos todo o património, as leveduras naturais para a fermentação alcoólica, o nervo, o carácter fresco e elegante. As vinhas donde provém o Tiara têm mais de 60 anos, estão plantadas a mais de 600 metros e Códega do Larinho é a casta dominante.

Este Tiara reinventado ficou também marcada pela nova roupagem, garrafa mais elegante e distinta e nova cápsula.

Vinificação

O ano de 2012 caracterizou-se pela falta de chuva na região do Douro. Como consequência, o ciclo vegetativo da vinha começou, em média, 15 dias mais tarde do que nos anos anteriores. Por outro lado, o Inverno de 2012 registou temperaturas muito baixas, o que permitiu um crescimento adequado e equilibrado da vegetação. O período de maturação foi menos quente que o habitual, originando um bom equilíbrio entre o açúcar e a acidez, factor essencial para um palato fresco e equilibrado.

A vindima decorreu em meados de Setembro. As uvas foram transportadas com refrigeração e prensadas durante a noite. Decantou-se durante 24 horas, seguindo-se a fermentação alcoólica em tonéis de grande capacidade, a uma temperatura que variou entre os 8ºC e 13ºC. A baixa temperatura fez com que o vinho estivesse a fermentar durante um ano. A fermentação maloláctica foi efectuada, diferenciando-se assim das edições anteriores. Devido às condições naturais de fermentação, o Tiara 2012 apresenta-se com açúcar residual.

Notas de Prova

Cor limpa e cristalina. O nariz é complexo, muito profundo e mineral devido à sua longa fermentação em tonel. Sendo a fruta muito discreta, este vinho prima pelo seu carácter vegetal. Vibrante na boca, apresenta-se muito preciso e equilíbrado, com a acidez, o álcool e o açúcar a combinarem-se na perfeição. Único na sua energia e no seu perfil, o Tiara 2012 promete uma longa vida em garrafa.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias pequenas vinhas

Idade das Cepas

40, 60 a 100 anos

Castas

Códega do Larinho, Rabigato, Donzelinho, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Sim

Fermentação

Tonéis de grande capacidade

Engarrafado

Dezembro 2013

Estágio

12 meses em barricas usadas

Álcool (%)

13

pH

3.29

Acidez Total (g/dm3)

4.8

Acidez Volátil (g/dm3)

0.6

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

22

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

Após a mudança de estilo no Tiara 2012, o desafio foi voltar a criar um branco de altitude com o mesmo perfil num ano desafiante como 2013. No Tiara procuramos criar um vinho leve, fino mas com muita garra e energia.

É na vinha que temos todo o património, as leveduras naturais para a fermentação alcoólica, o nervo, o carácter fresco e elegante. As vinhas donde provém o Tiara têm mais de 60 anos, estão plantadas a mais de 600 metros e Códega do Larinho é a casta dominante.

Vinificação

A vindima de 2013 começou no dia 19 de Agosto, mais cedo do que o habitual, de forma a manter os níveis altos de acidez e evitar graus alcoólicos elevados. O ano foi mais produtivo, cerca de 25% relativamente ao ano anterior. A decisão de começar a vindima mais cedo acabou por se revelar acertada, uma vez que as principais vinhas tinham sido já vindimadas antes de começar a chover intensamente a 27 de Setembro.

As vinhas que deram origem ao Tiara foram vindimadas em meados de Setembro. As uvas foram transportadas com refrigeração e prensadas durante a noite. Decantou-se durante 24 horas, seguindo-se a fermentação alcoólica em tonéis de grande capacidade, a uma temperatura que variou entre os 8°C e 13°C. A baixa temperatura fez com que o vinho estivesse a fermentar durante um ano. A fermentação maloláctica foi efectuada.

Notas de Prova

A longa fermentação em tonel confere ao Tiara 2013 um aroma muito complexo, profundo e mineral. Muito discreto nas notas de fruta de caroço, citrinos e com ligeiras notas medicinais. Muito vibrante na boca, num estilo muito singular, onde o açúcar e a acidez estão em perfeita harmonia. Fresco, leve e muito preciso, com uma forte componente mineral. Final pleno de energia, com boas notas citrinas. Um vinho que dá prazer beber em novo para se sentir toda a energia, mas que terá uma longa e saudável vida em cave.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias pequenas vinhas

Idade das Cepas

40, 60 a 100 anos

Castas

Códega do Larinho, Rabigato, Donzelinho, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Sim

Fermentação

Tonéis de grande capacidade

Engarrafado

Dezembro 2014

Estágio

12 meses em barricas usadas

Extracto Seco (g/dm3)

17.5

Açúcar Residual (g/dm3)

1.9

Álcool (%)

13

pH

3.26

Acidez Total (g/dm3)

4.9

Acidez Volátil (g/dm3)

0.7

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

35

SO2 Total (mg/dm3)

80

Massa Volúmica (g/cm3)

0.988

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Marisco e carnes brancas. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um branco de altitude, um vinho leve, fino mas com muita garra e energia. É na vinha que temos todo o património, as leveduras naturais para a fermentação alcoólica e o carácter fresco e elegante. O Tiara provém de vinhas com mais de 60 anos, plantadas a 600 metros de altitude, onde a Códega do Larinho é predominante.

Vinificação

O ano vitícola de 2014 caracterizou-se como um ano de menor quantidade mas de maior qualidade. Tudo indicava um ano precoce, devido à grande quantidade de água acumulada durante o Inverno e Primavera e de facto a fase de maturação ocorreu precocemente permitindo o início da vindima em Agosto. Na Quinta de Nápoles vindimou-se a maioria das parcelas durante um período de bom tempo entre 23 de Agosto e 21 de Setembro.

As vinhas que deram origem ao Tiara foram vindimadas em meados de Setembro. As uvas foram transportadas com refrigeração e prensadas durante a noite. Decantou-se durante 24 horas, seguindo-se a fermentação alcoólica em tonéis de grande capacidade, a uma temperatura que variou entre os 8°C e 13°C. O vinho fermentou durante um ano e fez fermentação maloláctica.

Notas de Prova

O Tiara 2014 mostra uma bonita cor cristalina. Apresenta aroma complexo e profundo, graças à longa fermentação em tonel. Subtil mas muito elegante, é um vinho onde a fruta de caroço está em plena harmonia com notas de ervas frescas. No palato, impressiona pela enorme estrutura totalmente equilibrada com uma acidez vibrante, que torna o vinho leve, preciso e muito delicado. O final de boca é muito longo e mineral. Um vinho que dá prazer beber novo para se sentir toda a energia, mas que terá uma longa vida em cave.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias pequenas vinhas

Idade das Cepas

40, 60 a 100 anos

Castas

Códega do Larinho, Rabigato, Donzelinho, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Sim

Fermentação

Tonéis de grande capacidade

Engarrafado

Dezembro 2015

Estágio

12 meses em barricas usadas

Extracto Seco (g/dm3)

17.7

Açúcar Residual (g/dm3)

0.9

Álcool (%)

12.36

pH

3.16

Acidez Total (g/dm3)

5.7

Acidez Volátil (g/dm3)

0.4

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

27

SO2 Total (mg/dm3)

83

Massa Volúmica (g/cm3)

0.9888

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Marisco e carnes brancas. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um branco de altitude, um vinho leve, fino mas com muita garra e energia. É na vinha que temos todo o património, as leveduras naturais para a fermentação alcoólica e o carácter fresco e elegante. O Tiara provém de vinhas com mais de 60 anos, plantadas a 600 metros de altitude, onde a Códega do Larinho é predominante.

Vinificação

As condições climáticas do ano vitícola 2015 foram muito favoráveis, com sol, calor e pouca humidade, permitindo um crescimento vegetativo homogéneo. Uma das particularidades deste ano foi a capacidade da vinha em manter-se hidratada durante a maturação. Em finais de Agosto, início de Setembro, as folhas basais mantinham-se verdes e húmidas, com os bagos hidratados e uma película grossa e firme.

As vinhas que deram origem ao Tiara foram vindimadas em meados de Setembro. As uvas foram transportadas com refrigeração e prensadas durante a noite. Decantou-se durante 24 horas, seguindo-se a fermentação alcoólica em tonéis de grande capacidade, a uma temperatura que variou entre os 8°C e 13°C. O vinho fermentou durante um ano e fez fermentação maloláctica.

Notas de Prova

O Tiara 2015 mostra uma bonita cor cristalina. Contido no aroma e mais austero que em anos anteriores, vai-se mostrando, aos poucos, complexo e profundo, graças à longa fermentação em tonel. É subtil mas muito elegante, com as notas de fruta branca e ervas frescas em plena harmonia com o perfil mineral. No palato, impressiona pela enorme estrutura equilibrada com uma acidez vibrante, que torna o vinho leve, preciso e muito delicado. O final de boca é muito longo e mineral. Um vinho que dá prazer beber novo para se sentir toda a energia, mas que terá uma longa vida em garrafa.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A.

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias pequenas vinhas

Idade das Cepas

40, 60 a 100 anos

Castas

Códega do Larinho, Rabigato, Donzelinho, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

sim

Fermentação

Tonéis de grande capacidade

Engarrafado

Janeiro 2017

Estágio

12 meses em tonel

Açúcar Residual (g/dm3)

1.2

Álcool (%)

12

pH

3.19

Acidez Total (g/dm3)

4.8

Acidez Volátil (g/dm3)

0.4

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

32

SO2 Total (mg/dm3)

72

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Marisco e carnes brancas. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

O Tiara é um branco de altitude, um vinho leve, fino mas com muita garra e energia. É na vinha que temos todo o património, as leveduras naturais para a fermentação alcoólica e o carácter fresco e elegante. O Tiara provém de vinhas com mais de 60 anos, plantadas a 600 metros de altitude, onde a códega do Larinho é predominante.

Vinificação

O ano vitícola de 2016 caracterizou-se atípico, o Inverno foi quente e chuvoso, a Primavera fria e muito chuvosa e o Verão extremamente quente e seco. As condições do estado do tempo contribuíram para um abrolhamento precoce (cerca de duas semanas) verificando-se, no entanto, ao longo da Primavera, um atraso significativo do ciclo vegetativo, em especial do "Pintor", que ocorreu com cerca de duas semanas de atraso.

As vinhas que deram origem ao Tiara foram vindimadas em meados de Setembro. As uvas foram transportadas com refrigeração e prensadas durante a noite. Decantou-se durante 24 horas, seguindo-se a fermentação alcoólica em tonéis de grande capacidade, a uma temperatura que variou entre os 8ºC e 13ºC. O vinho fermentou durante um ano e fez fermentação maloláctica.

Notas de Prova

O Tiara 2016 mostra uma bonita cor cristalina. Contido no aroma e mais austero que em anos anteriores, vai-se mostrando, aos poucos, complexo e profundo, graças à longa fermentação em tonel. É subtil mas muito elegante, com as notas de fruta branca e ervas frescas em plena harmonia com o perfil mineral. No palato, impressiona pela enorme estrutura equilibrada com uma acidez vibrante, que torna o vinho leve, preciso e muito delicado. O final de boca é muito longo mineral. Um vinho que dá prazer beber novo para se sentir toda a energia, mas que terá uma longa vida em garrafa.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias pequenas vinhas

Idade das Cepas

40, 60 a 100 anos

Castas

Códega do Larinho, Rabigato, Donzelinho, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600-800

Período de Vindima

Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Sim

Fermentação

Tonéis de grande capacidade

Engarrafado

Janeiro 2018

Estágio

12 meses em tonel

Extracto Seco (g/dm3)

16.4

Açúcar Residual (g/dm3)

1.6

Álcool (%)

13

pH

3.34

Acidez Total (g/dm3)

4.3

Acidez Volátil (g/dm3)

0.6

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

24

SO2 Total (mg/dm3)

62

Massa Volúmica (g/cm3)

0.99

Produção

4800gfs/0.75l

Alergénios

Sulfitos

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Marisco e carnes brancas. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

Garrafa

Caixa

33.4 18.4 × 6 8321.6 cardboard

Palette

120 80 × 4 Fiadas 76 Caixas

O Tiara provem de vinhas com mais de 60 anos, plantadas a uma cota de 600 metros, onde predomina a variedade Códega do Larinho. Um vinho fino, leve, com muita garra e energia.

Vinificação

O ano de 2017 foi quente e seco, impondo uma vindima precoce de forma a manter a frescura característica do Tiara. A vindima iniciou-se no final de Agosto, prolongando-se até inicio de Setembro. Para preservar a frescura das vinhas de altitude, as uvas foram transportadas com refrigeração até à Quinta de Nápoles. Aí foram prensadas delicadamente para uma cuba de inox onde o mosto decantou a frio.

Seguiu-se uma trasfega para Tonel, onde fermentou espontaneamente durante cerca de um ano (fermentação alcoólica e maloláctica), com controlo de temperatura ambiente.

Notas de Prova

O Tiara 2017 mostra uma bonita cor cristalina. Profundamente mineral e austero, apresenta boas notas de fruta e flores brancas.

Graças à longa fermentação em tonel, é um branco com um perfil muito discreto e contido, que com tempo no copo vai mostrando toda a complexidade e carácter. No palato, impressiona pela enorme estrutura, equilibrada com uma acidez vibrante, que torna o vinho leve, preciso e muito delicado. O final de boca é muito elegante, longo e mineral. Um vinho que dá prazer beber novo para se sentir toda a energia, onde a decantação é aconselhável, mas que terá certamente uma longa vida em garrafa.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A

Região

Douro

Tipo de Solo

Xisto

Vinhas

Várias vinhas pequenas

Idade das Cepas

40, 60 e 100 anos

Castas

Códega do Larinho, Rabigato, Donzelinho, Cercial e outras

Densidade por HA

6500

Condução das Vinhas

Guyot e Royat

Altura do Mar

600

Período de Vindima

Agosto e Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Sim

Fermentação

Em Toneis

Engarrafado

Janeiro 2019

Estágio

12 meses em tonel

Extracto Seco (g/dm3)

20.1

Açúcar Residual (g/dm3)

2.6

Álcool (%)

13.4

pH

3.24

Acidez Total (g/dm3)

5.2

Acidez Volátil (g/dm3)

0.5

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

28

SO2 Total (mg/dm3)

65

Massa Volúmica (g/cm3)

0.98

Produção

6125 garrafas

Alergénios

Sulfitos

Sugestão de acompanhamento

Pratos de peixe grelhado. Marisco e carnes brancas. Sugestões vegetarianas: vegetais salteados e saladas.

Garrafa

Caixa

33.4 18.4 × 6 8321.6 cardboard

Palette

120 80 × 4 Fiadas 76 Caixas