VV Vinhas Velhas BrancoVV Vinhas Velhas Branco

Quinta de Baixo Vinhas Velhas nasce do resultado da combinação das castas Maria Gomes e Bical de vinhas centenárias com um terroir perfeito de calcário. Dada a elevada acidez natural, estas vinhas originam vinhos com pH abaixo dos 3.0, sendo possível efectuar a maloláctica que ocorre em Fuders de 1000 litros com mais de 60 anos, provenientes de Mosel. VV representa a incrível leveza e complexidade da Bairrada.

Vinificação

2013 foi um ano húmido, com chuva durante o Inverno e a Primavera. Como consequência disso, a rebentação ocorreu quinze dias mais tarde do que no ano anterior e todo o ciclo vegetativo se atrasou. O Verão não foi tão quente como habitualmente e as noites foram bastante frias nas duas últimas semanas de Agosto.

A vindima começou em fins de Agosto em vinhas velhas. A maturação foi muito equilibrada, com um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, tendo conferido bons pHs ao vinho, resultando numa acidez total maior do que no ano anterior. Os vinhos brancos são equilibrados e com boa frescura.

O V/V branco 2013 provém de várias parcelas de vinhas velhas. Foi vinificado em inox, onde fermentou durante 4 semanas e terminou a fermentação em Fuders. A maloláctica ocorreu em Fuders usados de 1000L, onde estagiou durante 20 meses. Foi engarrafado sem filtração.

Notas de Prova

Cristalino na cor, as notas de giz são soberbas, num registo vibrante, quase nervoso, expressivo e muito austero. O seu perfil mineral é envolvido por boas notas de limão e flores brancas. Na boca, impressiona pela leveza, embora encorpado, com extracto. A acidez cítrica eleva o vinho para um patamar único, fresco, complexo, muito fino e elegante. Vertical, directo e com um final de boca austero e profundamente mineral. Um branco muito sério, distinto e que deve ser bebido em copos tipo Borgonha.

Informação Técnica

Região

Bairrada

Tipo de Solo

Argilo-calcário

Idade das Cepas

80 anos

Castas

Bical/Maria Gomes

Densidade por HA

2500

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

À cota do mar

Período de Vindima

Finais de Agosto

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Fuders

Fermentação

Fuders

Engarrafado

Junho 2015

Estágio

20 meses em Fuders

Álcool (%)

12

Produção

5.700 garrafas/0.75L

Sugestão de acompanhamento

Pratos de marisco, peixe assado no forno e pratos de bacalhau. Acompanha muito bem pratos de inspiração japonesa, com sabores alcalinos e iodados (tal como a alga Nori).

O Quinta de Baixo Vinhas Velhas surge da junção das castas Maria Gomes e Bical de vinhas centenárias com um terroir de calcário perfeito. Dada a elevada acidez natural, estas vinhas originam vinhos com pH abaixo dos 3.0, sendo possível efectuar a fermentação maloláctica que decorre em Fuders de 1000 litros com mais de 60 anos, provenientes de Mosel. O VV traduz de uma forma surpreendente, a incrível leveza e complexidade da Bairrada.

Vinificação

O Inverno na Bairrada foi rigoroso, longo e com uma precipitação bastante elevada, como já tinha acontecido em 2013. Uma Primavera quase inexistente e um Verão com temperaturas a rondar os 30°C dificultaram o controlo de doenças e a maturação.

Na vinha, iniciou-se o controlo de maturação em meados de Agosto, provando-se o bago e verificando-se o aspecto sanitário das uvas. A vindima dos brancos começou a 28 de Agosto em condições meteorológicas excelentes, terminando no dia 10 de Setembro. O VV branco 2014 foi vinificado em inox, onde fermentou durante 4 semanas terminando a fermentação em Fuders. A fermentação maloláctica decorreu nos mesmos Fuders usados de 1000 L, onde estagiou durante 20 meses. Foi engarrafado sem filtração.

Notas de Prova

Mais leve na cor que o ano anterior mas com o mesmo registo vibrante, expressivo e muito austero. As notas de calcário são muito evidentes, envolvidas por aromas de limão, especiarias e flores brancas. O perfil austero e mineral da casta Bical é mais evidente que a expressividade da casta Maria Gomes. Na boca, impressiona pela leveza, embora seja encorpado e com muita garra. A acidez eleva o vinho para um patamar único, fresco, complexo, muito fino e elegante. É vertical, directo e com um final de boca austero e profundamente mineral. Um branco muito distinto e que deve ser bebido em copos tipo Borgonha.

Informação Técnica

Produtor

Quinta de Baixo (Vinhos) S.A.

Região

Bairrada

Tipo de Solo

Argilo-calcário

Idade das Cepas

80 anos

Castas

Bical/Maria Gomes

Densidade por HA

2500

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

À cota do mar

Período de Vindima

Finais de Agosto

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Fuders

Fermentação

Fuders

Engarrafado

Junho de 2016

Estágio

20 meses em Fuders

Álcool (%)

10.3

Acidez Total (g/dm3)

6

Acidez Volátil (g/dm3)

0.51

SO2 Total (mg/dm3)

87

Massa Volúmica (g/cm3)

0.99

Sugestão de acompanhamento

Pratos de marisco, peixe assado no forno e pratos de bacalhau. Acompanha muito bem pratos de inspiração japonesa, com sabores alcalinos e iodados (tal como a alga Nori).

O Quinta de Baixo Vinhas Velhas provém de vinhas centenárias, com Maria Gomes e Bical, plantadas num terroir maioritariamente calcário. Dada a elevada acidez natural, estas vinhas proporcionam vinhos com pH abaixo dos 3.0, sendo por isso possível, efectuar a fermentação maloláctica, que ocorre em Fuders de 1000 litros com mais de 60 anos, provenientes de Mosel. O VV representa a incrível leveza e complexidade da Bairrada.

Vinificação

2015 foi um ano húmido, com chuva durante o Inverno e a Primavera. Como consequência disso, a rebentação ocorreu quinze dias mais tarde do que no ano anterior atrasando todo o ciclo vegetativo. O Verão não foi tão quente como habitualmente e as noites foram bastante frias nas últimas duas semanas de Agosto.

A vindima começou em finais de Agosto nas vinhas velhas. A maturação foi muito equilibrada, com um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, conferindo bons ph´s ao vinho e resultando numa acidez total mais elevada do que no ano anterior. Foi vinificado em inox, onde fermentou durante 4 semanas, terminando depois em Fuders de 1000 L, onde decorreu a malolática e estagiou durante 20 meses. Foi engarrafado sem filtração.

Notas de Prova

Leve e citrino na cor, num registo vibrante já habitual, expressivo e muito austero. As notas de calcário são muito evidentes, envolvidas por aromas de limão, especiarias e flores brancas. Num ano mais generoso na fruta, o perfil austero e mineral do Bical está em perfeito balanço com a expressividade da Maria Gomes. Na boca, impressiona pela leveza, embora encorpado e com muita garra. A acidez cítrica eleva o vinho para um patamar único, fresco, complexo, muito fino e elegante. Com um final de boca profundamente mineral, apresenta notas de frutos secos graças à longa e tranquila fermentação em Fuder. Um branco sério, distinto e que deve ser bebido em copos tipo Borgonha.

Informação Técnica

Produtor

Niepoort (Vinhos) S.A

Região

Bairrada

Tipo de Solo

Argilo-calcáreo

Idade das Cepas

80 anos

Castas

Bical e Maria Gomes

Densidade por HA

2500

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

Ao nível do mar

Período de Vindima

final de agosto

Forma de Vindima

manual

Maloláctica

em Fuder

Fermentação

em Fuder

Engarrafado

junho 2017

Estágio

20 meses em fuders de 1000L

Açúcar Residual (g/dm3)

4

Álcool (%)

11.5

Acidez Total (g/dm3)

6.9

Acidez Volátil (g/dm3)

0.62

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

22

SO2 Total (mg/dm3)

85

Produção

5653 bottles

Alergénios

Sulfitos

Sugestão de acompanhamento

Pratos de marisco, peixe assado no forno e pratos de bacalhau. Acompanha muito bem pratos de inspiração japonesa, com sabores alcalinos e iodados (tal como a alga Nori).

O Quinta de Baixo Vinhas Velhas provém de vinhas centenárias, com Maria Gomes e Bical, plantadas num terroir maioritariamente calcário. Dada a elevada acidez natural, estas vinhas proporcionam vinhos com pH abaixo dos 3.0, sendo por isso possível, efectuar a fermentação maloláctica, que ocorre em Fuders de 1000 litros com mais de 60 anos, provenientes de Mosel. O VV representa a incrível leveza e complexidade da Bairrada.

Vinificação

O ano vitícola caracterizou-se pelo inverno ameno e pouco chuvoso, seguido de uma primavera com elevada precipitação. A chuva dos meses de Abril e Maio obrigou a uma monitorização constante e intervenções mais rigorosas na vinha. As temperaturas altas dos meses seguintes resultaram numa maturação equilibrada.

O nosso controlo de maturação sensorial iniciou-se nos primeiros dias de Agosto e evidenciou um atraso na maturação, o que apontaria para uma vindima mais tardia. A decisão de iniciar a vindima no dia 6 de Setembro representou um atraso de cerca de uma semana face ao ano anterior.

Terminada a vindima no dia 28 Setembro, apurou-se uma quebra quantitativa de cerca de 30% a 35%. Apesar da adversidade, a produção manteve uma qualidade de excelência.

Globalmente classifica-se como um ano bom, caracterizado por uma óptima acidez e graduações entre 11,5 e 12,5. O resultado são vinhos finos e elegantes, com um pouco mais de cor, e enorme potencial de estagio em Fuders e toneis.

Notas de Prova

Leve na cor citrina, com o já habitual registo vibrante, quase nervoso, é expressivo, mas austero. As notas minerais de calcário são muito evidentes, em harmonia com aroma de ervas frescas e limão. Num ano como 2016, o perfil austero e mineral do Bical é muito equilibrado com a expressividade da Maria Gomes. Na boca, impressiona pela leveza, embora encorpado e com muita garra. A acidez e a salinidade elevam o vinho para um patamar único, fresco, muito fino e elegante. Vertical, direto e com um final de boca austero e profundamente mineral. Um branco muito sério, distinto e que deve ser bebido em copos tipo Borgonha.

Informação Técnica

Produtor

Quinta de Baixo (Vinhos) S.A

Região

Bairrada

Tipo de Solo

Argilo-Calcário

Idade das Cepas

80 Anos

Castas

Bical e Maria Gomes

Densidade por HA

2500

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

à cota do Mar

Período de Vindima

Fim de Agosto

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Fuders

Fermentação

Fuders

Engarrafado

Junho 2018

Estágio

20 meses em Fuders

Extracto Seco (g/dm3)

21

Açúcar Residual (g/dm3)

4.2

Álcool (%)

12

pH

3.17

Acidez Total (g/dm3)

6.21

Acidez Volátil (g/dm3)

0.56

SO2 Total (mg/dm3)

81

Massa Volúmica (g/cm3)

0.99

Produção

5567 garrafas

Alergénios

Sulfitos

Sugestão de acompanhamento

Pratos de marisco, peixe assado no forno e pratos de bacalhau. Acompanha muito bem pratos de inspiração japonesa, com sabores alcalinos e iodados (tal como a alga Nori).

Garrafa

Caixa

33.5 26.5 × 6 10500 cardboard

Palette

120 80 × 4 Fiadas 76 Caixas

O VV Vinhas Velhas é um vinho produzido apenas com uvas das nossas vinhas da Quinta de Baixo, onde praticámos viticultura biológica, com certificação SATIVA.

O VV, provém de vinhas centenárias, com Maria Gomes e Bical, plantadas num terroir maioritariamente calcário. Dada a elevada acidez natural, estas vinhas proporcionam vinhos com pH abaixo dos 3.0, sendo por isso possível, efectuar a fermentação maloláctica, que ocorre em Fuders de 1000 litros com mais de 60 anos, provenientes de Mosel.

O VV representa a incrível leveza e complexidade da Bairrada.

Vinificação

O Inverno 2016/2017, na Bairrada, foi muito seco. Na Primavera houve alguma precipitação, em finais de Abril princípio de Maio, mas o Verão voltou a ser muito seco. O valor baixo de humidade permitiu que a incidência de doenças fosse praticamente nula e que não houvesse necessidade de tratamentos na vinha. Devido à seca extrema, o amadurecimento da uva foi muito precoce e com o calor intenso que se fez sentir, a vindima acabou por se antecipar cerca de 3 semanas relativamente ao ano anterior, iniciando-se a 17 de Agosto e terminando a 19 de Setembro.

Foi um bom ano, os vinhos com um grau alcoólico mais elevado do que no ano anterior, mas com uma acidez muito equilibrada.

Notas de Prova

Leve na cor citrina, com o já habitual registo vibrante, expressivo, mas austero. As notas minerais de calcário são muito evidentes, em harmonia com aromas de ervas frescas, limão e flores brancas. O perfil austero e mineral do Bical é muito equilibrado com a expressividade da Maria Gomes. Na boca, impressiona pela leveza, embora encorpado e com muita garra. A acidez e a salinidade elevam o vinho para um patamar único, fresco, muito fino e elegante. Vertical, direto e com um final de boca austero e profundamente mineral. Um branco muito sério, distinto e que deve ser bebido em copos tipo Borgonha.

Informação Técnica

Produtor

Quinta de Baixo (Vinhos) S.A

Região

Bairrada

Tipo de Solo

Argilo-Calcário

Idade das Cepas

80 Anos

Castas

Bical e Maria Gomes

Densidade por HA

2500

Condução das Vinhas

Guyot

Altura do Mar

À cota do mar

Período de Vindima

Agosto e Setembro

Forma de Vindima

Manual

Maloláctica

Fuders

Fermentação

Fuders

Engarrafado

Julho 2019

Estágio

20 Meses em Fuders

Álcool (%)

12.1

pH

3.19

Acidez Total (g/dm3)

6.3

Acidez Volátil (g/dm3)

0.54

SO2 Livre de Enchimento (mg/dm3)

64

SO2 Total (mg/dm3)

88

Produção

5650 Garrafas

Alergénios

Sulfitos

Sugestão de acompanhamento

Pratos de marisco, peixe assado no forno e pratos de bacalhau. Acompanha muito bem pratos de inspiração japonesa, com sabores alcalinos e iodados (tal como a alga Nori).

Garrafa

Caixa

33.5 26.5 × 6 10500 cardboard

Palette

120 80 × 4 Fiadas 76 Caixas